LoL: “Quem viu a Rensga jogar a LLE e pensa que aquele é o produto final, está muito enganado” afirma Raven, Coach da Rensga

Raven

O CBLoL está chegando, e o Baserush conversou com o técnico de uma das equipes novatas no principal campeonato de League of Legends do Brasil. O português Renato “Raven” Dimas, coach da Rensga, falou um pouco sobre como tem sido a adaptação ao Brasil, os caminhos que o time deve percorrer neste ano de 2021 e as expectativas para a temporada de estreia da equipe no CBLoL.

Raven
(Foto: Divulgação/Rensga)

A Rensga não é o primeiro time de Raven no Brasil. Em 2020, ele foi Coach da Havan Liberty, que disputou o Circuito Desafiante e não conseguiu vaga para as franquias do CBLoL. Neste tempo em que esteve no Brasil, Raven sentiu algumas dificuldades de adaptação no país.

“A adaptação não tem sido fácil, não vou mentir. Não só existem imensas diferenças culturais, como também sou uma pessoa difícil de agradar. A melhor forma para me adaptar tem sido conhecer diferentes pessoas fora dos esports, onde tenho a chance de conhecer o Brasil com diferentes perspectivas. Talvez tenha sido por ter vivido em uma cidade pequena (Brusque/SC), e pior, em situação de pandemia em que não era permitido viajar” conta.

Sobre o que o torcedor da Rensga pode esperar da sua passagem pela equipe goiana, Raven prometeu ousar.

“Podem esperar criatividade em drafts e gameplay, jogadores felizes dentro de gaming office, a Rensga ser um time pontual em treinos, além de organização e seriedade no projeto”.

Um dos primeiros compromissos da Rensga foi a Liga Loading de Esports, realizada durante o mês de dezembro. A equipe ficou na 4ª colocação no campeonato, mas a atuação do time não agradou os torcedores, que criticaram bastante algumas escolhas feitas durante as partidas. Sobre isso, Raven disse que o torcedor pode esperar desempenhos melhores no futuro.

“O desempenho da Rensga foi abaixo do esperado e do seu real potencial. Quem viu a Rensga jogar a LLE e pensa que aquele é o produto final, está muito enganado! O campeonato revelou várias situações que acontecem durante uma competição que serão importantes para escolher a devida line-up para o CBLOL 2021”, afirmou Raven. O técnico ainda completou falando sobre a pressão do torcedor:

“A pressão causada pelos torcedores é importante para amadurecer os jogadores. Saber lidar com essa pressão online é um passo para saber lidar com a pressão de estar também no palco. O nosso foco sempre será em nós mesmos, o nosso trabalho, o processo para ser a melhor equipe possível. E isso bastará para que a pressão exterior seja usada como motivação”.

Em seu projeto, a Rensga prometeu não ter um time titular fixo, onde todos os doze jogadores estariam disponíveis para todas as partidas. Raven afirma que é um sistema ousado, mas que o foco é implementar um estilo de jogo da Rensga.

“Poucas equipes se aventuram na construção de um sistema tão ousado e que permite utilizar mais do que sete jogadores. Na Havan Liberty, eu concebi um sistema, ainda no seu estado inicial, que pudesse utilizar os 10 jogadores. O sistema na Rensga será melhorado em conjunto com toda a comissão técnica, o foco é a implementação dos mesmos fundamentos de jogo com todos jogadores. Isto é, como o League of Legends deve ser jogado no estilo da Rensga. Para as substituições, levaremos em conta o desempenho de todos os jogadores durante a semana de treino e a necessidade estratégica”.

Um dos pedidos da torcida da Rensga é a utilização de Harumi nas partidas da equipe. O treinador afirmou que, por ser nova no cenário, a escalação da jogadora no CBLoL vai depender de seu desenvolvimento.

“Todo jogador tem a chance de jogar o CBLOL desde que essa mudança nos dê a maior chance de vitória. Como falei, irá depender do desempenho dos jogadores ou da necessidade estratégica. A Harumi ainda é nova no cenário competitivo, por isso terá de se desenvolver primeiro antes de saltar para a grande liga”.

Já sobre a expectativa para o CBLoL, Raven disse que espera conseguir ir para o Mundial, mas admite que atualmente a equipe está abaixo do nível de alguns times do campeonato.

“O nosso principal objetivo é desenvolver o melhor time e, consequentemente, ir ao Mundial no final do ano. Todo trabalho desenvolvido com o time será nesse caminho, e temos plena noção que será algo muito difícil. Sendo bem realista, atualmente, estamos abaixo do nível de alguns times, contudo, vamos trabalhar e ter mais paixão para ganhar que os outros. Acredito que neste primeiro split possamos nos colocar no top 4 com o foco certo no processo”.

Mas a pergunta que todo goiano e torcedor da Rensga quer realmente saber é, o Raven já comeu pamonha? Ele respondeu:

“Será a primeira coisa que vou fazer assim que colocar meus pés em Goiânia! Comer pamonha! Parece ser muito bom.”

O português ainda deixou uma mensagem para os torcedores da Rensga: “Cowboys, montem nos vossos cavalos e sigam-nos nesta viagem épica na procura do ouro! #GORNS.”

Siga o Baserush no Instagram e no Twitter e fique por dentro de tudo. Também estamos na Twitch!