“Estamos mais preparados para lidar com as adversidades”, diz Dionrray, Head Coach da ProGaming

 

Com a volta da 5ª semana do CBLOL, conversamos com o Dionrray, atual Head Coach da ProGaming. Ele nos contou como começou nessa vida dentro do e-Sports, entrada do Vert no time e também sobre as constantes caídas do time no decorrer do CBLOL.

P: Como você adentrou no mundo do E-sports e consequentemente se tornou coach?

R: Meu desejo de entrar no competitivo de LoL começou em 2015, quando montei um portfólio online com algumas analises e ia atrás de feedback e conhecimento, entrando com contato com pessoas do competitivo, tanto brasileiros como estrangeiros. Eu sempre quis fazer parte do cenário como membro da staff, começando como analista e crescendo até virar coach. No início de 2016, já com uma certa bagagem decorrente dos contatos que fiz, entrei como analista na BigGods e, um mês depois, quando precisavam de um treinador na casa, me chamaram pra campanha do Circuito Desafiante, a qual nos deu acesso pro CBLol.

P: Quando você entrou na ProGaming, como era seu papel dentro da casa, levando em conta de que antes Djoko e Von eram os head coachs da equipe? E depois da saída do Djoko, qual foi a principal diferença?

R: Apesar de eu não ter sido head coach da PRG durante dois splits do CBLoL, o meu papel não mudou muito. Felizmente, os dois tinham total confiança em mim e no meu trabalho, o que me dava bastante liberdade na equipe e entre os jogadores. Principalmente durante o split com o Djoko, que ao conciliar o trabalho na PRG com a faculdade, me deixava bem livre para fazer as coisas do jeito que eu achava o melhor para o time. Sinto que esse período foi de imensa evolução para mim como pessoa e profissional, fico imensamente satisfeito de como eu usei esse tempo. Agora, com a oportunidade de voltar a ser headcoach, o que mais muda é o fator da palavra final ser minha. Com a experiencia dos outros splits, eu sei o que funciona e o que não funciona nesse grupo e, ter o poder de tomar essas decisões, vem sendo o diferencial.

P: A ProGaming desde que subiu ao CBLoL, sempre teve um início muito bom nas etapas e, no final, não consegue responder as expectativas. Porque você acha que isso acontece?

R: Eu diria que nos dois últimos splits, o grupo como um todo não estava maduro, com a mentalidade certa o suficiente para termos o sucesso que poderíamos ter. Foi preciso quebrar muito a cara para nós aprendermos o que é certo e o que é errado. Todos aqui evoluíram muito como pessoas e, agora, só cabe a nós mudar essa fama ruim.

(Reprodução: Flickr – Riot Games Brasil)

P: Você acha que nessa etapa, vocês estão mais preparados para lidar com esses problemas da queda de expectativa, para conseguir ir mais afundo nos playoffs ou até mesmo chegar numa final de CBLoL?

R: Com certeza. Apesar de ainda termos problemas, somos um conjunto bem mais preparado mentalmente do que nas edições anteriores. Todos, sem exceção, cresceram muito e essa evolução é nítida. É muito complicado de falar agora sobre playoffs/final em um campeonato como o CBLoL mas, com certeza, estamos mais preparados para lidar com as adversidades.

P: No que a entrada do Vert agregou para a ProGaming?

R: O Vert é um profissional excelente. Ele já foi campeão brasileiro, disputou torneios internacionais, recebeu diversos prêmios individuais… tem uma bagagem enorme! Ele acrescenta bastante pra nós, com uma visão que trouxe de fora, de experiências passadas em outros times e momentos. Isso foi fundamental pra criação de uma nova identidade dessa ProGaming. Ainda, é um cara bem tranquilo, que consegue passar bastante calma e tranquilidade para o time tanto dentro como fora do jogo.

P: Qual a diferença entre o revezamento do split passado com Goku e Lynkez para agora com o Lynkez titular? Qual a diferença entre os dois jogadores?

R: Split passado, não conseguimos implementar com muito sucesso o revezamento entre os nossos jogadores. Dessa vez, porém, com a experiencia da edição passada, estamos fazendo isso muito melhor. Vert e Lynkez trabalham muito bem juntos e também se complementam bastante dentro e fora do jogo. Lynkez tende a ter um jogo mais individualista e, Verto, gostar de opções mais utilitárias, que se sacrificam pro time.

P: Qual a importância do Professor para o time? Ele fora de jogo aparenta ser uma voz de liderança muito forte, está correto?

R: O Professor tende a ser o ponto de equilíbrio na comunicação do time, principalmente dentro de jogo. Sua constância e boas performances são fundamentais para que o time se mantenha numa curva de crescimento regular, bem como com um fluxo de comunicação muito bom. Ainda, por ser uma pessoa bem carismática e animada, tem um papel fundamental no ambiente do time também.

P: Pode ficar à vontade, se você quiser, para mandar algum recado para seus torcedores e para todo mundo.

R: Gostaria, primeiramente, de agradecer a eSports MPB pela oportunidade de entrevista! Agradecer também ao apoio da organização e dos patrocinadores que vem fazendo de tudo por nós. Por último, mas não menos importante, agradecer o carinho e o incentivo de todos os torcedores e fãs, que realmente fazem a diferença! Podem ter certeza de que estamos dando o nosso máximo para conseguirmos, finalmente, mostrar o verdadeiro potencial da ProGaming e sei que estamos no caminho certo. Continuem do nosso lado e #goPRG!

A ProGaming volta aos Rift nesse final de semana (22) quando enfrenta o time da INTZ  pela  semana do CBLOL. Você pode acompanhar tudo isso nos canais oficiais da Riot Games Brasil tanto na Twitch como no Youtube.